Estado de flow

A teoria do estado de flow surgiu em meados dos anos 70 quando o psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi buscou entender como artistas se envolviam tão profundamente com seus trabalhos que não percebiam o tempo passar, nem sentiam fome, sede ou sono. Através da sua pesquisa, Mihaly, notou que isso acontecia também com cientistas, atletas e escritores. Era um estado de muita concentração e completo envolvimento o qual ele chamou de "experiência ótima". Não existe um modelo rígido sobre como atingir o estado de flow, porém algumas coisas devem estar presentes:

  1. Deve ser uma tarefa muito recompensadora, que realiza o seu ser (manter a motivação)

  2. Objetivos claros e senso de progresso

  3. Saber o que está fazendo e para onde está indo (feedback)

  4. O desafio deve corresponder a habilidade (se o desafio é muito fácil, torna-se tedioso; se é muito difícil, provoca ansiedade)

  5. Foco intenso no momento presente

As pessoas entrevistadas nas pesquisas de Mihaly descrevem a "experiência ótima" como: um senso de que suas habilidades são adequadas para lidar com os desafios postos, que levam a um objetivo e cujo sistema de ações oferece pistas de que elas apresentam um bom desempenho. A concentração é tão intensa que não sobra atenção para pensar em coisas irrelevantes ou preocupar-se com problemas. Autoconsciência desaparece e o senso de tempo torna-se destorcido. Atividades que produzem esse tipo de experiência são tão gratificantes que as pessoas estão dispostas a fazê-las por puro interesse na ação, apresentando pouca preocupação com os resultados, com as dificuldades ou com os perigos.


No seu livro "flow" ele cita atividades como escalar, dançar, tocar instrumentos, fazer algum esporte, entre outras. A forma como essas atividades são construídas e desempenhadas facilitam o alcance da "experiência ótima". Quando começamos a tocar um instrumento, temos um desafio posto e nossas habilidades correspondem a ele, sabemos qual é o objetivo, quais são os passos até lá, vamos recebendo feedbacks no decorrer do processo de aprendizagem, percebemos que estamos progredindo, nos sentimos realizados e interessados e demanda uma atenção no momento presente.


Mihaly estuda a atenção e faz uma analogia à energia descrita pela física mecânica uma vez que toda e qualquer ação demanda o uso da atenção. Assim como a energia física, a atenção também é finita. Não conseguimos processar muitas informações ao mesmo tempo. Quando muitas pessoas falam ao nosso redor, por exemplo, não somos capazes de compreender. Ou seja, nós não conseguimos dividir nossa atenção entre várias tarefas e continuar fazendo bem o que precisamos fazer.


Relação entre os desafios e as habilidades:


O Flow e o Yoga


O flow é um estado de êxtase, é aquele momento em que você se envolve com uma música e seu corpo flui com o som, sem a sua interferência. A mente não está mais comandando o movimento, ele vem do próprio corpo, das sensações. É um estado mental parecido com a meditação. Esse estado de flow, quando atingido na prática, se reflete também na sua vida. Se observarmos ao nosso redor, conhecemos pessoas que parecem lutar com a vida, como se estivessem na contramão do fluxo, e outras que parecem surfar pela vida, como se pegasse uma carona, contornando as dificuldades com destreza e eficiência, seguindo em frente. Encontrar o fluxo é como encontrar a estrada do seu dharma - missão, propósito - e seguir em frente. Quando experimentamos o flow na prática de yoga nosso corpo se movimenta sem que necessariamente ocorra um entendimento racional do que está acontecendo no momento da ação. O savasana é uma postura que nos leva a esse estado, de relaxamento consciente e desafio mental elevado para manter a presença e a imobilidade do corpo. No momento em que transcendemos os desejos que surgem no momento do relaxamento final (coçar, mexer, abrir os olhos), nós acessamos um estado de consciência diferenciado. Sempre gosto de falar: observa o desejo antes de agir. Permanece nesse lugar de observação e manifeste seu poder de escolher conscientemente como agir. Você é poder do seu mundo, essa é sua potência (Shakti). Como Nietzsche escreveu "esta é a primeira preparação para a espiritualidade: não reagir de imediato a um estímulo".



Incluir atividades que proporcionem o estado de flow certamente impacta de forma positiva a qualidade de vida e o bem estar. Entretanto, é importante ressaltar que nem sempre é viável incluir todos os dias algo que te leve a esse estado. Por exemplo Mihaly cita montanhistas, escalar montanhas não é algo possível de incluir na rotina diária de alguém, ainda que a pessoa viva do esporte não vai acontecer o tempo inteiro. O yoga nos ensina que o mais importante é COMO fazemos as coisas e não O QUE fazemos. Ou seja, ainda que seja um desafio incluir diariamente na rotina algo que te leve ao flow, você pode buscar encontrar nas tarefas que precisam ser feitas essas características do estado de flow. Se você não encontrá-las, pode ser uma oportunidade para refletir e buscar mudanças a fim de que você possa encontrar satisfação (e as outras características do flow) nas atividades mesmo que isso seja seu trabalho. Mihaly, inicialmente tentou compreender o que fazia a vida valer a pena, o que levava as pessoas a reconhecer o sentido na vida delas e o estado de flow carrega esse significado de autorrealização.


Aqui vai o TED do Mihaly contando um pouco sobre sua história e trabalho: