© 2023 por Tipo Diva Blog | Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon

Viagem: Cume do Capim Amarelo, Serra Fina

08.09.2016

Hoje vim contar de uma viagem INCRÍVEL! Gente nem acredito que tive a oportunidade de conhecer esse lugar! Como eu já disse, estou de férias da faculdade, um amigo resolveu ir para Minas Gerais e eu decidi ir junto. Há mais ou menos 1 mês ele já havia me falado dessa viagem, pedindo para que eu me prepara-se (fisicamente e psicologicamente) se eu quisesse ir. Comecei a ler sobre a famosa travessia da Serra Fina e devo confessar que é meio assustador! Bate aquele medo de não ser capaz e desistir. Continuei indo para a academia, fazendo aula de bicicleta e correndo na esteira. Ainda assim, não acho que foi o suficiente, deveria ter me dedicado mais. Não levei tão a sério quando meu amigo falou para me preparar. De qualquer forma, me entreguei a essa aventura e fomos para lá na sexta-feira, dia 2. 

 

Primeiro Dia

Chegamos em Passa Quatro lá pela meia noite, andamos mais três horas até encontramos um lugar bom para acampar perto de um ponto de água. A caminhada é cansativa, porque tem muita subida. E fizemos isso de noite, então precisamos usar lanternas (acho que depois disso superei meu medo do escuro hahahaha). Passei um pouco de frio essa noite! Como iríamos dormir bem pouco (acordamos 05h30), nem pegamos os sacos de dormir, apenas utilizamos o isolante térmico. É importante levar muita roupa de frio, porque dependendo do lugar venta bastante. Não dormi muito bem, acho que estranhei um pouco o lugar. Foi a primeira vez que acampei, fiz trilha e tudo mais. 

Café da manhã

 

Segundo Dia

Acordamos bem cedo para começar a trilha e chegar ao Cume do Capim Amarelo. Enquanto eu organizava (ou tentava organizar) as coisas, meu amigo foi buscar água já que durante o caminho não teria mais nenhum ponto de água. Levamos uns 6,5L de água para beber e fazer café. Não levamos comidas cujo preparo depende de água justamente para economizar. A subida é bem puxada, pelo menos foi para mim, talvez a falta de preparo tenha pesado! De qualquer forma, bebemos bastante água no trajeto, mas ainda sobrou para o dia seguinte. Depois de 5h30 mais ou menos chegamos ao cume. Não tem sensação melhor na vida! Todo esforço vale a pena quando chegamos lá em cima!

Já era hora do almoço então fizemos várias tapiocas para comer. Antes disso, montamos a barraca para garantir um lugar uma vez que tinha mais gente lá. O resto do dia descansamos, nos alongamos e admiramos a vista incrível do lugar. Lá pelas 18h nós jantamos sardinha dentro da barraca já e, depois, nos preparamos para dormir. 

 

 

 

 

 

 

Almoço

 

 

 

Terceiro Dia

Na madrugada do dia 4 nós acordamos só para ver o céu. A coisa mais linda que já vi na vida! Muitas estrelas! Que momento único! Achamos que no dia seguinte o tempo iria estar bom, mas até choveu e ventou muito. A barraca balança bastante. Nosso objetivo inicial era fazer a travessia de Serra Fina inteira. Como o tempo não favoreceu, já levantamos tarde e, então, resolvemos dormir mais um dia lá. Levei um livro para ler e como estava frio, fiquei muito tempo na barraca. Mais tarde abriu um sol, almoçamos na pedra e apenas admiramos a natureza. Depois do almoço dormi novamente, que delícia! hahahaha Lá pelas 15h um pessoal apareceu por lá (ganhamos companhia para descer), como o tempo melhorou resolvemos abortar a travessia e voltar para a cidade de Passa Quatro, MG. Andamos por umas 7h quase sem parar até chegar à rodoviária da cidade. Que lugar gostoso! Fazia tempo que não ia para um cidade pequena. Vivenciar isso, conhecer pessoas, sotaques, outras realidades é sem dúvidas algo marcante na vida de qualquer pessoa. Cheguei ACABADA na rodoviária hahahaha jantamos lá mesmo e eu dormi no banco! Não conseguia ficar acordada. Chegamos às 22h30 e só tinha ônibus para 1h para São Paulo. Pensamos em dormir na cidade, em fazer outras trilhas, subir outras montanhas, mas no final voltamos mesmo. Meu nível de cansaço talvez não me permitisse outra aventura. 

 Cafezinho pós almoço

 

Chegar à São Paulo na segunda, dia 5 foi uma mistura de saudade e felicidade por ter vivido esses momentos lindos. Com o pensamento na próxima aventura!! hahahaha

 

O que levar de roupa e equipamentos?

Na minha primeira viagem para acampar e fazer trilhas eu simplesmente não sabia o que levar. Nada do que costumo levar em viagens, eu levei dessa vez. Chapinha, secador, lentes de contato, maquiagem, roupas novas... o que é isso? Sabe as roupas mais velhas que você tem? São essas mesmo! Levei calças legging, um moletom, blusas de academia, casaco de frio, muitas meias, toca, luva, chinelo, bota. Além disso, barraca, mochila, frigideira, copos, pratos, faca, saco de dormir e, principalmente, isolante térmico são essenciais. 

Essa viagem colocou a prova minha capacidade de desapego. Sou super vaidosa, amo tudo relacionado à beleza feminina e nesse lugar a beleza é outra, as prioridades são outras. Passar por isso não fez com que eu deixasse minha vaidade de lado, mas me mostrou qual lugar ela deve ocupar na minha vida. Há coisas muito maiores do que preocupações estéticas. Estar lá foi um presente pra mim, mesmo sem maquiagem, cabelo sujo e roupas velhas. Amei cada segundo dessa viagem.

 

O que levar de comida?

Como pretendíamos fazer a travessia inteira, e o trajeto não possui muitos pontos de água, então levamos comidas secas de fácil preparo. Tapioca, sardinha, linguiça, mortadela, goiabada, amendoim, barrinhas de cereal (que nós fizemos), patê de presunto, bolacha, abacate, café solúvel. Comemos pouco, mas o suficiente. O peso da mochila conta muito, então quanto menos pesada melhor!

 

 Carinha de sono, mas feliz por esse momento!!!!! :)

 Uma das minhas fotos preferidas! De dentro da barraca, no terceiro dia!

 Como já dizia Renato Russo: sou um grão de areiaaaa!

 Meu amigo na mata, sempre na minha frente, porque eu cansava muito rápido hahahahaha

 O que dizer desse lugar?

 "Achei Deus de uma grande delicadeza". Clarice Lispector, O Milagre das Folhas.

"Com o desmoronamento de minha civilização e de minha humanidade - o que me era um sofrimento de grande saudade - com a perda da humanidade, eu passava organicamente a sentir o gosto da identidade das coisas" Clarice Lispector, minha autora preferida, sempre comigo em pensamento. Do livro: A paixão segundo GH.

 <3 <3 <3

 FELIZ!

 Apenas gratidão por esse momento!

 Amigo se arriscando na pedra, não parava quieto um minuto! hahahaha

 Nas principais montanhas geralmente tem um livrinho para cada pessoa registrar sua passagem por lá. Achei super fofo!!

 Poderia passar horas só observando e sentindo esse lugar.

Espero que vocês tenham gostado do meu relato de viagem, foi uma experiência única para mim, vou levar comigo para sempre. Se relacionem com pessoas que acreditem na sua capacidade, que não se importem se você está ou não maquiada, com roupas novas, bonitas... e, sobretudo, que aceitem passar por grandes aventuras com vocês. Além disso, que te ajudem quando você precisar (várias vezes parei na subida, e meu amigo me motivou, me deu a mão, me encorajou), pessoas que se preocupem com você, se está passando frio ou não, com fome, cansada. Isso é fundamental nesse tipo de viagem! Confiem em quem vai com vocês e tudo será mais fácil. Assim viverão momentos incríveis e inesquecíveis tendo contato com a essência da vida. Respirar nesse lugar, contemplar a paisagem, ver estrelas de madrugada me fez esquecer de todos os problemas, medos e traumas que vivenciamos diariamente. Esvaziar a mente de coisas ruins e completar só com sentimentos bons é maravilhoso. Ano que vem quero voltar e tentar fazer a travessia inteira de novo!! A viagem é inspiradora e eu, como amo escrever, não poderia deixar de registrar meus sentimentos nesse lugar. Vejam lá na página Textos da Gabi!!

 

 

Tags:

Please reload

Posts Relacionados

Please reload