© 2023 por Tipo Diva Blog | Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon

Livro: Amar e ser livre

25.06.2018

Oi gente! Li mais um livro do Prem Baba e que leitura valiosa! Tenho mais um que ainda não li e a cada leitura fico mais impressionada com a capacidade do autor de nos provocar reflexões profundas e promover o autoconhecimento. Foi um livro que me impactou pessoalmente e tocou em pontos que eu por vezes neguei em mim mesma. Depois que li comecei a prestar mais atenção sobretudo nas boas intenções das minhas ações e palavras as quais o ego pode se apropriar mesmo que conscientemente pareça a melhor escolha. Enfim, tive vários momentos de enfrentamento das minhas sombras, não muito fáceis. Mas sou muito grata por agora poder enxergá-las e assim com muito amor, respeito e compreensão iluminar cada cantinho escuro de mim para que eu possa brilhar e espalhar luz. Esses processos podem ser dolorosos, mas lembrando do que Prem Baba também diz no livro O propósito nós temos uma atração pelo sofrimento, existe algum prazer em sofrer. Logo, é possível passar por momentos de difíceis reflexões sem sofrer. Não foi o meu caso, lembrei disso só depois hahahaha por isso meditar é tão importante para se lembrar dessas coisas. Enfim, de qualquer forma o livro vale a pena ser lido. A leitura é super gostosa, a mensagem é passada de maneira simples, sincera e vai direto ao ponto. Muitos padrões que existem dentro de nós que adquirimos culturalmente, moralmente etc são colocados à prova. Um exemplo disso é o questionamento acerca dos relacionamentos afetivo-sexuais os quais são marcados por falta de liberdade, ciúmes, egoísmo, vaidade, orgulho e tudo que acreditamos ser "normal" num relacionamento. Até mesmo a monogamia dos relacionamentos é questionada. Claramente Prem Baba é uma pessoa que conseguiu expandir sua consciência através do amor e por isso consegue lidar com ideias que para nós podem gerar até um certo desconforto. Mas é sempre bom sair da zona de conforto e lidar com outras formas de pensar, de viver e de se relacionar. Desse modo, podemos encontrar novas versões de nós mesmos, e quem sabe até gostar delas? Que a gente não se limite nem acredite que só existe um jeito de viver a vida. Essa percepção é tão importante!! Quantas guerras não existem no mundo simplesmente porque não aceitam a maneira do outro se expressar no mundo? Claro, desde que essa maneira não impacte negativamente o mundo e as pessoas. Enfim, essa é a semente da tolerância e da aceitação. Tudo isso só é possível por amor, com amor, pelo amor. No livro, Prem Baba, nos alerta para a importância dos relacionamentos nas nossas vidas. Tudo é relacionamento e é a partir deles que aprendemos e nos conhecemos ainda mais. Ele enfatiza que o relacionamento afetivo-sexual é o mais importante de todos uma vez que é ele que nos dá a oportunidade de desenvolvermos autoconhecimento. "Às vezes, o outro reflete aspectos positivos e luminosos da nossa personalidade, e às vezes reflete aspectos negativos e sombrios". Diante do outro todas as máscaras caem, porque não conseguimos sustentá-las por muito tempo, a não ser que interrompamos os relacionamentos antes disso acontecer. Esse cair das máscaras nos coloca em contato com aspectos da nossa personalidade que às vezes são desconhecidos, ou negamos, ou não gostamos. O importante é sempre pensar nas situações como grandes oportunidades de aprendizado. Porque de alguma forma esse contato com essas características pode "roubar" nossa paz, contudo se pensarmos que são oportunidades de aprendizado isso não ocorrerá. No livro todo o autor vai mostrar como os relacionamentos são importantes e o que vem à tona quando vivenciamos eles e principalmente o relacionamento afetivo-sexual. Os capítulos são divididos na análise do eu (da importância de nos relacionarmos conosco mesmo), da família, do eu e o outro e, enfim, do nós.  Algumas partes do livro que eu gostei:

"O ser humano, no decorrer da sua jornada, foi ensinado a temer o mal. Ele condena a maldade tento no outro quanto em si mesmo. Ele tenta fugir dela, principalmente, quando a maldade é sua. Esse medo é o que nos impede de lidar com a maldade, e isso faz com que ela ganhe poder. Esse é mais um fruto da negação. É ela que impede que nos libertemos da maldade, ela é a carcereira dessa prisão".

"Quanto menor for a consciência sobre o desejo pelo negativo, maior será o desespero pelo positivo. Corremos aceleradamente atrás do positivo, mas nunca o alcançamos, porque há uma força contrária nos segurando. E quanto mais esforço colocarmos nessa busca, pior será nossa situação, porque vamos precisar lidar com mais frustração. O constante fracasso reforça nossa insegurança e nossa sensação de impotência diante da vida. Muitas vezes perdemos as esperanças e nos tornamos céticos em relação à possibilidade de existir felicidade".

"A autorresponsabilidade é a pedra fundamental que sustenta o caminho da autorrealização. Sem ela, a evolução não é possível. Lembre-se que nós estamos onde nos colocamos. Se você está num buraco, foi você que se colocou dentro dele. Se você está em um lugar agradável, confortável, também foi você que se colocou nele".

"Tudo se resume ao amor. Nós estamos aqui em busca do amor. Esse é o elemento alquímico que nos liberta de todo o sofrimento. É um tesouro que está dentro do nosso coração. Vamos continuar nosso garimpo".

"Então, meu amado, trabalhe para conhecer os cantos mais escondidos e escuros da sua alma. Busque identificar o seu desejo de machucar e ser dono do outro. Identifique sua vontade de fazer dele um escravo que satisfaz suas exigências e expectativas. Identifique o seu desejo de tirar a liberdade do outro. Por outro lado, identifique sua carência, seu sentimento de impotência, que torna você tão ciumento e possessivo. Identifique a origem do sentimento que faz de você tão inseguro, tirano e cruel e que te aprisiona dentro do ciclo vicioso de dar e receber dor. Identifique esses aspectos e continue a autoinvestigação dos episódios na memória em que você identifica a origem desses padrões de comportamento. Identifique as crenças errôneas que sustentam essas ações. Permita-se entrar no porão dos sentimentos negados que dão sustentação para comportamentos negativos. Tenha coragem de entrar em contato com eles. Tenha coragem de viver esses sentimentos até que possa se libertar da dor e  reconverter a energia distorcida, para realmente poder se unir ao outro".

"Ao verificar a atuação da natureza inferior nas diversas áreas de nossa vida, começamos a praticar o testemunhar, que é sinônimo de auto-obervação desapegada. Primeiro, identificamos e reconhecemos os jogos e os observamos. Depois, praticamos o desapego, o que faz com que tais jogos desapareçam por completo".

"...no modelo antigo de casamento, não há esperança para a verdadeira celebração; somente para a alegria passageira que nasce da satisfação do ego (quando recebemos o que queremos). O velho casamento tem sido um jogo, cujo objetivo é forçar o outro a dizer "sim" mesmo que esse "sim" reafirme a nossa miséria. Queremos que o outro confirme nossa falsa ideia do eu. Mas dentro de um relacionamento, é impossível sustentar essa mentira por muito tempo. Em algum momento, as máscaras começam a desmoronar".

"É importante compreender quem em você quer casar, quem em você quer ter uma família. Quem em você está com medo de se revelar? A quem você quer agradar?"

"Eu diria que somente esse novo modelo de relacionamentos é capaz de sustentar a força erótica dentro do casamento. Isso porque nele existe uma real disposição para revelar-se e receber a revelação do outro, mesmo que isso possa ser doloroso. Talvez, esta seja a melhor forma de definir o Novo Casamento: nele, não há mentiras ou segredos. Ao contrário, há um constante compromisso com a transparência e com a verdade. Tudo é colocado às claras, pois ambos estão determinados a superar a sombra".

Bom é isso, espero que tenham gostado e se forem ler eu espero que as reflexões sejam valiosas e que, ainda que possam ser dolorosas, sirvam para desenvolver autoconhecimento e consequentemente relacionamentos saudáveis. Comecei a refletir sobre isso depois que assisti o filme "A barraca do beijo", como somos ensinados desde pequenos, com filmes aparentemente inocentes por exemplo, que discussões e falta de respeito entre casais é "normal". Ou que brigas sempre acontecem e no final fica tudo bem. Ou que ciúmes é algo legal de sentir e precisa ser sentido.  E tantas outras coisas que constroem um padrão comportamental e arruínam tantas relações que poderiam ser lindas e oportunidades de expansão e crescimento. Eu penso que o amor vale sempre a pena ser vivido. Mas para que isso ocorra, primeiro é necessário coragem, afinal algumas pessoas tem medo de amar ou de estabelecer relacionamentos uma vez que é experienciando isso que temos contato com nossas características mais íntimas e profundas, muitas vezes nagadas e oprimidas. E segundo, é necessário muita disposição em compreender o outro, em expandir a consciência e romper todos esses padrões que só reafirmam as falsas ideias sobre o eu, principalmente a que somos carentes de amor. Por fim, acredito que não há como viver o amor em sua plenitude sem que haja sobretudo humildade e respeito, sem egoísmos, vaidades, orgulho. Dizendo assim até parece que sou a entendedora de relacionamentos, mas não é nada disso! Esses livros me ajudam muito e entendo que é um longo processo a ser percorrido. O amor sempre me moveu. Sempre foi uma poderosa força para mim. Aos poucos conseguiremos vivenciá-lo em sua plenitude e grandiosidade. Espero que tenham gostado!! :)) 

Please reload

Posts Relacionados

Please reload